Blog
Ginecologia
Caroço no peito pode ser câncer de mama?

Bastante comuns, os nódulos mamários, mais conhecidos como caroços no peito, muitas vezes são benignos, e não há motivo para preocupação. Se você já se perguntou se caroço no peito pode ser câncer de mama, continue por aqui.

Selecionamos as principais perguntas feitas dentro dos consultórios da Clínica Célula Mater.

Um belo dia, debaixo do chuveiro, você resolve apalpar o seio e… sente que tem alguma coisa diferente ali. Parece um carocinho. Vem a dúvida e, com ela, o medo: será que é câncer? 

Nada de pânico: em 80% das vezes, o nódulo é uma alteração benigna associada aos hormônios femininos. Mas, de qualquer jeito, é imprescindível a ida ao ginecologista para uma avaliação correta. 

Veja a seguir algumas das perguntas mais comuns sobre o assunto, respondidas pela Dra. Maria Aparecida Murakami, radiologista especializada em mamas da Célula Mater. 

Câncer de mama – 1. O que são nódulos mamários e por que se formam?

Eles são uma resposta da mama à ação dos hormônios femininos (estrogênio e progesterona), que são responsáveis pelas alterações que ocorrem durante o ciclo menstrual, preparando o organismo da mulher para uma possível gravidez.

Faz parte da ação dos hormônios estimular o crescimento, a divisão e a proliferação das células mamárias – e, não ocorrendo a gravidez, a sua involução. Mas, às vezes, ocorre um defeito nesse processo de proliferação e involução, surgindo daí os nódulos sólidos.

2. Qual a relação entre os nódulos mamários e o câncer de mama?

Apareceu o nódulo e, em 80% dos casos, a probabilidade é de que não seja nada grave. Mas o tumor das mamas tem a mesma origem dos nódulos benignos. Só que, nesse processo, podem ocorrer alterações capazes de gerar células malignas. 

Fique atenta: se o crescimento for rápido, se há outras alterações associadas, como retrações da pele e do mamilo, mudanças na aparência da pele, secreção pelo mamilo ou nódulo na axila. Em qualquer um desses casos, não espere. Esses são sinais de que pode ser um nódulo maligno.

3. Com que frequência e a partir de que idade devo começar a fazer o autoexame?

Os especialistas recomendam fazer um autoexame uma vez por mês a partir dos 20 anos. A melhor época é de cinco a dez dias depois da menstruação. Mas atenção: quando a mama é muito densa, até mesmo o médico pode ter dificuldade em detectar alguma coisa na palpação.

Por isso, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) não estimula o autoexame como método isolado de detecção. E lembra que o exame feito pela própria mulher, embora seja  importante, não substitui o exame físico realizado por um profissional de saúde.

Câncer de mama – 4. Se constatada a presença de um nódulo, como deve ser feito o acompanhamento?

Se você foi ao ginecologista e foi constatada a existência de um nódulo com 100% de chance de ser benigno, relaxe. Não precisa fazer nada. 

Se a chance for maior que 98% de ser benigno, você deverá fazer o acompanhamento médico com mamografia ou ultrassom de seis em seis meses por dois anos e, depois disso, anualmente.

Agora, se as características desse nódulo – seja à palpação, seja pelos resultados dos exames de imagem – demonstrarem mais de 2% de probabilidade de que seja maligno, o médico solicitará uma biópsia, que consiste em retirar alguns fragmentos do nódulo, que serão então enviados do laboratório de patologia para análise.

5. A partir de que idade o câncer de mama é mais comum?

O câncer é mais comum em mulheres acima de 50 anos, embora estejam aparecendo novos casos em mulheres mais jovens. A partir dos 40 anos, a mulher precisa fazer uma mamografia todo ano para assim detectar lesões iniciais que ainda não tenham sido percebidas com o toque. 

Quem tem histórico familiar de câncer de mama ou de ovário (principalmente em parentes de primeiro grau) deve ficar  de olho: é possível que você tenha que iniciar o rastreamento antes dos 40 anos.

6. Existe alguma forma de evitar ou diminuir o risco de tumor?

É muito difícil. O que se sabe é que existem alguns fatores que favorecem o seu aparecimento ao contribuir para o aporte de hormônio nas glândulas, como por exemplo:

  • a obesidade, 
  • o sedentarismo, 
  • o consumo de álcool e 
  • a genética.

Além disso, outros fatores que causam um maior número de ciclos ovulatórios cumulativos, como a primeira menstruação em idade precoce e a menopausa tardia, podem ampliar o risco.

No mesmo sentido, ter filhos tardiamente, ter apenas um filho ou não tê-los também ampliam a exposição aos ciclos menstruais, aumentando o risco.

7. Quando a genética influencia o aparecimento do tumor?

Nove entre dez casos de câncer de mama são aleatórios, ou seja, não se sabe por que ocorrem, além da exposição aos fatores de risco. Mas os 10% restantes estão ligados à predisposição genética. 

Quem tem uma tia ou um parente distante com a doença não precisa ficar preocupada. Mas, de qualquer forma, o acompanhamento precisa ser feito anualmente. Deve-se suspeitar de

predisposição genética quando há vários casos de câncer de mama ou de ovário diagnosticados em familiares com menos de 50 anos (especialmente em parentes de primeiro grau). 

Quando há suspeita de haver um fator hereditário na família, pode-se fazer um estudo genético para identificar mutações que nos predispõem à doença. Nesse caso, a vigilância deve ser reforçada.

8. Dizem que o uso da pílula anticoncepcional influencia o aparecimento ou o crescimento dos nódulos. É verdade?

Não. Atualmente, as formulações das pílulas anticoncepcionais são de baixa dosagem e seguras. Mas é sempre aconselhável discutir com seu médico se há contraindicações, por exemplo, um histórico familiar de câncer de mama ou a presença de mutações genéticas associadas a esse tipo de tumor.

9. A amamentação protege contra o câncer de mama?

Não exatamente. O aleitamento materno não pode ser considerado um fator de prevenção isolado, até porque há mulheres que amamentaram e, mesmo assim, desenvolveram o câncer de mama. Mas, durante o período de amamentação, os níveis do hormônio estrogênio caem drasticamente. E, quanto menos hormônio, menor o risco de ocorrerem mutações que levam aos tumores.

10. Qual o efeito da menopausa no aparecimento ou crescimento de nódulos?

Com o fim das menstruações, não é esperado a formação ou o crescimento de nódulos. Por isso, quando eles aparecem nessa fase, deve-se sempre fazer exames para afastar a possibilidade de serem malignos. Durante a menopausa, muitas mulheres optam pela terapia de reposição hormonal para enfrentar os sintomas desagradáveis. 

Nesses casos, é necessário discutir com o médico os prós e contras do tratamento, uma vez que os riscos de desenvolver o tumor podem aumentar pela exposição excessiva aos hormônios nessa faixa etária.

Conheça a Dra. Maria Aparecida Murakami

Com 33 anos de medicina, a Dra. Bida, como é conhecida, se tornou especialista em mamas em uma época em que a área, pela qual é apaixonada, ainda era pouco explorada.

Para ela, lidar com a paciente que tem medo de câncer de mama é um dos maiores desafios da profissão, mas também é motivação para continuar.

Conheça mais aqui

Agende sua consulta

Notícias relacionadas

Apresentação pélvica é o nome técnico quando o bebê fica sentado dentro da barriga da mãe. No início da gestação é comum os bebês estarem nessa posição, já que tem bastante espaço e bastante líquido.  Dúvidas de grávida –...
Saiba +
Urologia – O que é a fimose e por que devo ficar atenta?  Para as mães, na maioria das vezes, esse assunto é uma novidade. Por não fazer parte da sua vida íntima, algumas mães de meninos ficam sem...
Saiba +
A adolescência é uma experiência de inúmeras transformações físicas que envolvem novos cuidados e pontos de atenção com relação ao corpo dos adolescentes. Para se cuidar melhor, selecionamos 5 dicas valiosas da médica urologista Dra. Miriam Dambros que certamente...
Saiba +
criado por: agenciaecco.com.br
Open chat